29 maio 2007

Metamorfoses

As vezes me vejo como um eterno mutante, que nunca muda sua forma original. Paradoxo?! Sim, claro!!! Mas não é assim a humanidade?! Pelo menos eh assim que eu a vejo. Exemplos?! As pessoas prendem, maltratam e até matam dizendo ser por amor; Procuram desesperadamente por emprego, mas volta e meia se queixam e dizem que gostariam de não fazer nada da vida; Ainda com trabalho, se esfolam de tanto trabalhar para terem muito dinheiro dizendo ser para aproveitar melhor as coisas boas da vida, mas acabam sem tempo e disposição para isso. Paradoxos...

Mas voltemos às mudanças. Como escrevi acima, estou em eterna metamorfose, sem muito mudar. São pequenas coisas, mas que muito afetam. Atitudes que se renovam e alteram a rotina; modo de vestir, o gosto por determinado estilo de roupas; uso constante ou abandono de certas expressões; tipos de músicas que se ouve, numa semana um cantor preferido, noutra, o tempo todo ouvindo uma banda diferente; horários de dormir, acordar, comer, que se alteram sempre e sempre; proximidade ou afastamento de determinadas pessoas; estado de animo e tipo de humor, que variam desde o alegre e ácido até o sóbreo e seco.

Mas são essas coisas que me moldam a cada dia e me trazem uma experiencia nova, um sabor novo a vida, uma amizade iniciada ou renovada. São essas elas que dinamizam a minha vida e a das pessoas que próximas a mim estão.

É como diz a música: "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo"

18 maio 2007

( )

Uma sensação estranha toma conta de mim hoje. Gradativamente um enorme vazio apossa-se de mim. Acho que não sei descrever tal fato. è uma fome que não é fisica. Uma necessidade que eu não sei como contemplar. É uma vontade que não sei como saciar.

Na verdade, acho que não sei a causa. O fato é que algo em mim percebeu que alguma coisa me falta. E aparentemente importante.

Acho que essas coisas acontecem mesmo. Há dias em que achamos que nem a este mundo pertencemos, ou que não merecemos o que nos é dado. Assim como há ocasiões em que nos vemos encaixados plenamente no lugar em que estamos.

Mas uma coisa me consola: esse sentimento que me invade não é ruim, Ele veio para me dizer que algo que deveria possuir não está em mim. Cabe, portanto, a mim, dar cabo de identificá-lo, procurá-lo e encontrá-lo, enfim... ir em busca disso.

Alguns insagam: "Como alguém como você, a quem nada falta, pode sentir essas coisas?!". Não reclamo do que tenho, e muito agradeço pelas pessoas e coisas que estão a minha volta e que consegui conquistar ou por elas ser conquistado. Mas quero mais, sim. Afinal, faz parte da natureza humana a busca daquilo que lhe falta. A busca pelo conhecimento, pelo poder, por desvendar os segredos ocultos do mundo (isso mesmo, parece redundante, mas são se fato segredos ocultos, que a poucos se deixam vislumbrar).

Talvez esse seja um sinal que me lembra que muito ainda tenho por aprender e por fazer. Que Deus me ajude então a encontrar o meu caminho e cumprir as minhas missões, sejam elas quais forem.

13 maio 2007

Indiferença, NÃO!!!

Considero que o diálogo seja sempre a melhor forma de resolver atritos, pendências, mal-entendidos. Porém, admito, muitas vezes ele não funciona e temos que partir para outras maneiras no intuito de consertar o que está errado.

Comigo, geralmente, o diálogo calmo e com argumentos já resolve tudo. Mas, caso não resolva, a pior maneira que há de se tentar é utilizar a indiferença. Primeiro porque com ela as pessoas não sabem exatamente o motivo. Segundo porque isso não demonstra interesse em resolver nada. Terceiro por que isso muito me irrita.

Quando já se tentou de outras maneiras, menos mal. Mas quando do nada alguém se toena indiferente... Ah... a coisa é bem diferente! Ainda tento saber o que aconteceu, mas se não vejo resposta, fico irritado e, para não piorar as coisas, deixo pra lah. Fico aberto ainda para uma conversa, mas não procuro mais.

Acho bem melhor quandfo se vem com tudo para cima de mim, que me espanquem até (eu sabendo o motivo, lógico), do que me venham com indiferença.

A indiferença é como uma adaga, que vinda não se sabe de onde, lhe acerta o meio das costas e de lá não se consegue tirar.

Quer fazer barraco?! FAÇA!!!
Quer me bater?! BATA!!!
Quer me xingar?! XINGUE!!!

Mas, indiferença, NÃO!!!

06 maio 2007

Em viagem eu sigo. Depois de algumas horas já não sofro de ansiedade, apenas espero calmamente a chegada ao meu destino. Muitas foram as paisagens que, pela janela, eu avistei. Garoa, chuva, cerração, sol... por tudo isso eu passei e continuo com a viagem.

Do inseparável MP3, todo o arquivo eu já ouvi: Gal Costa, Negra Li, Milton Nascimento e por aí vai. Embalado pelas canções, já relembrei de momentos, senti saudades de pessoas, desejei beijos e abraços, adormeci.

Depois de uma breve parada (como alguma coisa e fumo um cigarro), a viagem é retomada. Meu destino se aproxima, lah fora a chuva cai. Eu, inspirado pela ocasião, pela música e pelo clima, entre os solavancos do ônibus, teimo em escrever. As pessoas das poltronas próximas olham intrigadas e curiosas.

Eu, distante, continuo a escrever e a desejar beijos e abraços. Queria não ter saído de casa, mas era preciso. Então, cá estou... em viajem.

04 maio 2007

Novamente Exupéry

Ainda fazendo referência à conversa citada no último texto, lembro-me novamente de Saint-Exupéry. A cidação dessa vez é a seguinte: "Tu te tornas eternamente responsável por aqueles que cativa". è uma frase que jah se tornou clichê, mas que faz muito sentido.

cada pessoa que passa em nossa vida deixa uma marca. Não sei com os soutros, mas comigo é assim. Um cantos, uma música, um livro, uma frase, um autor, um jogo, uma comida, um lugar, uma idéia, um filme, um ponto de vista, um passo de dança, um qualquer coisa, por mais simples que seja, ou mais sofisticado, não importa, alguma coisa essa pessoa acrescenta e, mesmo que ela vá embora, se distancie, um detalhe fica.

Tive a sorte de encontrar ótimas pessoas, que muito de bom me acrescentaram e agradeço muito a Deus por isso!

Meu gosto musical e literário muito deve às pessoas que passaram e que estão em minha vida e espero ter também contribuídp com os gostos delas. Conceitos e pontos de vistas também muito devem aos meus amigos, que em conversas muito gostosas e diversas ajudaram a contruí-los.

Às pessoas especiais em minha vida eu deixo um muitíssimo obrigado. Primeiro por existirem, segundo por serem também responsáveis pelo que sou e, com a presença delas, me tornarei.

Um forte abraço e sucesso a todos!!
Ocorreu um erro neste gadget