29 julho 2007

Bons momentos!

Domingo, amigos, macarronada, vinho, música, cartas e máquina fotográfica! Não posso dizer que seja uma receita para a felicidade que sirva a todos, mas a mim, neste dia, serviu, e muito! Me diverti e ri como há muito não fazia.

Apenas tenho a agradecer a todos eles, que um bem enorme me fizeram! Cozinhei para pessoas que eu gosto, fotografeis momentos que se tornaram inesquecíveis, brindei pelo nada e pela coletiva felicidade, joguei com a impolgação de uma criança (e o melhor é que ganhei!)

Ah! Não posso me esquecer do cimento instantâneo de leito condensado e chocolate... rsrsr...

Fui feliz, durante esse domingo eu fui feliz!

Risos entre soluços, fotos e mais fotos, a alegria inebriante da amizade (e do vinho.. rs).

Mesmo sem taça na mão neste momento, ergo um brinde, um marailhoso e sincero brinde à essa magia que une pessoas às vezes em muito diferentes, a esse sentimento que irmana aqueles antes desconhecidos, que abre portas, janelas e frestas todas para que a luz, a alegria e o amor de Deus invada nossos corações!

Um brinde e agradecimentos fraternos aos amigos e à amizade!!!

25 julho 2007

Super-poderes?!

Quando somos crianças, ficamos nos imaginando com super-poderes. Acredito que todos já tenham feito isso. E se não fizeram, duvido um pouco da infânca que tiveram. Afinal, os super-heróis e seres mágicos povoam nossa imaginação.

Mas hoje me vejo desejando possuir super-poderes. Pelo menos unzinho!

Já desejei a capacidade de me tele-transportar, para poder estar em qualquer lugar que desejasse no tempo de um piscar de olhos. Seria fantástico, não?! Entre os benefícios estariam a redução de gastos com as passagens de ônibus ou táxi, a pontualidade e a agilidade para resolver algumas coisas. O perigo é ficar preso em alguma parede ou coisa do gênero.

Poderia ser a super-velocidade, tanto para poder me deslocar quanto para poder fazer todas a minhas tarefas de um modo muito mais rápido, mais dinâmico. Com certeza iria conseguir dar conta de tudo o que tenho hoje para fazer e ainda sobraria tempo pra uma ou outra coisa, entretenimento, diversão, visitas aos amigos e por aí vai.

Outra poder que me seria bem interessante seria a leitura e controle de mentes. Já pensaram em saber tudo o que as pessoas pensam e ainda poderem forçá-las sutilmente a fazer alguma coisa, convencerem-nas de algo e coisas do gênero?! Seria perigoso desvendar a mente humana, tão cheia de mistérios e obscuridades, mas acho que valeria a pena...

Ah... me lembrei agora de um outro poder bem interessante: o de voar. Seria realmente muito útil, pelo menos o vejo assim. Além do mais, quando estivesse de saco cheio de alguma coisa e quisesse sair para espairecer ou vagar sem rumo pra pensar, poderia sair sem se preocupar com o horário, ou por onde vai passar, com quem vai encontrar ou com os perigos que poderiam enfrentar. Bastaria levantor vôo e curtir seu momento consigo mesmo. Tomando cuidado é claro com a rede elétrica para não esbarar em nenhum fio e tomar um choque.

Mas o desejo que realmente eu gostaria de ter nesse momento, é o poder de cura. Acredito que mesmo se custasse a minha própria vida, ou parte dela, gostaria de possuir esse poder. Acabar com o sofrimento das pessoas que amo. Poder extirpar-lhes os males do corpo e devolvê-los a uma vida saudável, para poderem aproveitar a enormidade de coisas que a vida e Deus têm reservado a eles. Esse é o meu desejo maior. Alguém aí sabe a receita ou o elemento radioativo ao qual eu tenho que me jogar para conseguir isso?! Se souberem, me falem, por favor!!!

Dentre todos os poderes e mágicas, o que menos gostaria de possuir é a imortalidade. Imagine, você viver séculos a fio, conhecendo pessoas, se apeixonando, podendo acompanhar a evolução das coisas e das pessoas e recorrentemente vê-las acabar, morrer, sumir! Não, não quero e não aguentaria esse fardo tão pesado. POr mais que se pudesse viver e ver e aprender com isso, não gostaria da experiência.

E você, quais os poderes que desejaria ter agora?!

20 julho 2007

Apaguei-me

Faz de fato algum tempo que não escrevo, não por falta de vontade, pelo contrário. Vontade, muita eu tenho. Mas me faltava ânimo, me faltava o estalo, a inspiração. Talvez por ter mergulhado minha alma num estado de dormência, num lago frio e escuro, de silêncio. Mas lá no fundo nada ela encontrou. Somente sentiu-se sozinha, com saudades dos amigos, dos risos, das músicas, dos sons, do sol, das estrelas, das mínimas coisas que passam desabercebidas. Lá, no fundo desse lago, minha alma também viu e sentiu o medo, a descrença, um corpo sem vida.

Lá ela viu a presença da morte, feia, negra, infeliz.

Minha açma, então, cansou-se disso (na verdade fugiu apavorada) e voltou a superfície. E viu o sol, que a tudo iluminava e aquecia, viu a água que caia e lavava tudo em que tocava, viu o vento que soprava e tranquilizava a vida, viu o chão, a terra que a tudo sustentava e a tudo amparava, e o fogo que queimava, mas não destruia, apenas transformava.

Ela pegou um pouco de cada coisa, dentre tantas e tantas que via. O brilho e o calor, a capacidade de levar o que é impuro, a leveza e o frescor, a firmeza e a maciez, a fúria e a serenidade para criar e transformar. Tudo isso e muito mais ela pegou e colocou em si. Se fazendo renovada e pronta para novas experiências.

Ela sabe que pode vir a ser lançada a algum submundo, mas ela está feliz. Ela reconheceu que há coisas que não podem ser mudadas, há coisas que não podem acontecer, e há muito mais a se fazer do que apenas chorar e lamentar a falta de possibilidades.

Minha alma novamente se levanta e retorna ao meu corpo, ela me devolve a vida e a luz que outrora havia perdido. Ela retorna ao seu lugar, me fazendo ver que a vida é muito breve para que a disperdicemos sempre e sempre. Quero viver cada dia como se fosse o único. Quero poder me dedicar a cada uma das minhas atividades para fazê-la da melhor maneira possível. Não para ser reconhecido por alguém, ou para ter uma promoção, o para satisfazer qq interesse.

Quero fazê-lo por mim. Para mostrar a mim mesmo que sou capaz de tudo, para poder dizer ao olhar para trás que fiz o melhor que eu pude em tudo. Não quero ter arrependimentos. Quero amar da melhor maneira, quero trabalhar da melhor maneira, quero brincar da melhor maneira, quero até mesmo brigar da melhor maneira, quero transar da melhor maneira, cozinhar o mais gostoso que eu puder, rir com a última centelha de minha alma, assim como chorar até a última lágrima que o fato merecer, quero não me arrepender pelo que não fiz. Quero poder chegar em um ponto crítico, estufar o peito e dizer: "Agora fudeu!!!!" e rir disso. Quero muito, quero tudo, quero o todo, quero querer, quero bem-querer.

E acima de tudo, desejo com tudo isso, honrar em grande dom que me foi dado por Deus, que é o dom da vida. E, mesmo que seja necessário que uns sofram para que outros aprendam, como disse-me um amigo, quero poder levar a todos a alegria de se estar vivo e de se viver. Quero também sofrer porque não?! sofrer de amor, sofrer de ansiedade, sofrer da boa saudade, sofrer com o sofrimento dos meus (que se mantenham longes os sofrimentos todos, mas se vierem, quero estar pronto para vivê-los).

Quero poder repetir tudo isso a cada manhã, para me convencer, e também àqueles que me cercam. Para poder fazer valer, para não me perder em minha cama toda a noite desejando algo novo, para não reclamar daquilo que não se deve.

P.S.: O título, agora que cheguei ao final, não parece condizer com o texto. mas não vou alterá-lo. Escrevi sem muito pensar, apenas despejando o que minha alma queria dizer. Espero que tenha dito algo de importante e não somente palavras soltas sem sentido... eh isso! Ah... e perdoem os erros... :)
Ocorreu um erro neste gadget