18 junho 2008

Passa tempo, tempo passa

Embora achemos que sempre há tempo, às vezes percebemos que é tarde demais.

Sim, às vezes o tempo passa e aquilo que estava ali já não está mais.

Uma flor que desabrochou e murchou, antes que pudéssemos sentir-lhe o aroma.

Uma fruta que amadureceu e apodreceu, antes que pudéssemos degustar-lhe o sabor.

Um alguém que estava ao nosso lado e partiu antes que pudéssemos dizer-lhe adeus.

Quanto mais descuidados formos, mais sofreremos com a velocidade e a falta de tempo. Assim, devemos ser rápidos, vivazes, certeiros, impulsivos, até mesmo gulosos. Fazer valer, o mais possível, a máxima que diz “não deixe para fazer amanhã o que se pode fazer hoje”.

Sinta o perfume daquela flor que desabrochou, antes que ela se perca nos idos do tempo.

Desfrute o sabor daquela fruta que está madura, antes que ela apodreça e troque o aroma doce e o gosta de vida pelo ocre e o azedume da podridão.

Diga a todos quantos ame que os ama, que são importantes e o que significam em sua vida, antes que elas partam e você já não tenha mais condições de fazê-lo.

Dê tempo a si mesmo! Dê tempo para aquilo e aqueles que lhe são caros, preciosos, importantes!

Não sabemos quantos grãos a ampulheta da vida tem para nós e para os nossos, então aproveite antes que o último caia, pois o tempo não volta atrás.

Não é necessário (nem possível) acelerar ou refrear os ponteiros. Por isso, só nos resta viver cada segundo como se fosse o último e esperar sempre pelo próximo, sem planos, só com esperança e fé. E, em cada um deles, viver o amor, segundo após segundo, até o fim...
Ocorreu um erro neste gadget