15 novembro 2007

...literalmente escravidão ...

De mitos e quimeras é feita minha alma
De mistérios é construída a minha personalidade
Minha mente?! Ah.. essa pelo mundo vaga
Sem tempo, sem hora, sem destino sem idade

Meu corpo é de carne e ossos
E o sangue corre nas veias
Aos meus pensamentos eu ouço
E por vários mundos a imaginação devaneia

Meus ombros foram feitos para as lágrimas
Minha boca, com a graça de Deus, para os conselhos
Minha vida? Um livro de páginas rasgadas
Mil personagens e a ânsia para vivê-los

Penso, sinto, falo, ajo... existo
Minha origem e meus princípios, não os esqueço
Como um amigo, simplesmente, gosto de ser visto
Com justiça e ponderação aos outros eu meço

Sou criança que espera por brinquedo
E que quando dele enjoa, joga fora e pede outro
Sou homem que os sonhos alimenta
Mas que as preocupações e neuras não deixa solto


As palavras, delas me fizeram escravo
E mesmo que eu nada possa fazer
Surge o chicote, exigente e agitado
E, a mercê de seus caprichos, sou posto a escrever

À essa força imensa não sou capaz de resistir
Então, humilde e consciente, desculpas eu peço
Se por acaso ou infortúnio leres um meu verso

11 novembro 2007

...inspirações da madrugada...

Sou um menino curioso, que sobre tudo quer saber... de tudo entender...
ares de filófoso com idéias de maluco
uma mistura original que amedronta e fascina
sou alguém comum, com um toque especial
sou cidadão do mundo, que nunca sai do próprio quintal...
sou amante da rosa, mesmo por conta dos espinhos...
sou um espectador que observa, analisa e pondera
sou uma estrela fugidia, que se esconde ao anoitecer
sou um escravo das letras, à disposição, à seu bel prazer
sou um em muitos, sou muitos em um...
sou um pouco de vc, sou muito de mim...
sou um pedaço de um todo.. ou o todo em um pedaço
sou um nó, sou um laço
sou alguém, que se passa por ninguém...
sou um doido de juizo
sou um maluco, sem pré-juízo
sou o que fui, o que serei
sou o que jamais imaginei
sou uma alma perdida
sou um espírito em busca
sou um aventureiro de descaminhos
sou um paladino em devaneios

sou aquilo que tu queres, sou o que teus olhos veem, sou um pouco de tudo e o nada de muita coisa, sou o que se deseja e o que se teme

sou eu, sou só, sou em muitos, sou com poucos, sou assim... sou daquele jeito...
simplesmente sou...
simplesmente não sou...

10 novembro 2007

...quereres...

No céu, o sol brilha intenasamente
No peito, o coração bate irremediavelmente
Na mente, o desejo de mudança e reviravolta constante

a sensação de vazio me adormece o ânimo
me enclausura a alma
me coage o espirito

os olhos buscam por novas paisagens
ou ouvidos por novos sons
os pés por novas paragens
o corpo, por novas sensações

nos lábios, quero de uma fruta a textura macia
no rosto o carinho refrescante de uma brisa
no coração, um toque caprichado de alegria

quero mergulhar em água pura
quero invadir e iluminar minha cela escura
quero antecipar as alegrias e visões futuras

alcançar o inalcançável
penetar o impenetrável
destruir o indestrutível
corrigir o incorrigível

igualdade
liberdade
fraterinidade
felicidade

me deixo levar por palavras, expressões
faço-me acompanhar por loucuras, ilusões
luto contra bloqueios, ilusões e frustrações
estou perdido, em busca de minhas proprias realizações

01 novembro 2007

Phoenix


Um eterno consumir
A morte certa e esperada
Para que depois se possa ressurgir
Das cinzas, retornada

Séculos de uma vida intensa
Um brilho ofuscante que definha lentamente
Para que, após a morte, a vida comece novamente

Nessa rotina continuada
Sinto-me como a ave mitológica
Que some e ressurge do nada
Sem que para isso haja lógica

A vida segue seu curso
Entre mortes e ressurreições
Por várias coisas eu busco
Alegrias, glórias, paixões...

E a ave phoenix que em mim reside
Segue em seu infindável ciclo
Calado e obediente a tudo isso, eu fico

Ocorreu um erro neste gadget