20 maio 2009

Dia das mães?!

Bem, depois de um tempo ausente por probleminhas na net e correrias do dia a dia, estou de volta. O texto já tem um tema ultrapassado, mas achei legal postar por aqui. ;)

Por mais que o mundo capitalista insista em gerar datas para que o consumo se consuma, resisto à idéia e digo que todo dia é dia das mães, dos pais, das crianças, dos namorados, dos amigos...

Sim! Não há apenas um dia em que eles são o que são. Mães são mães todos os dias, assim como são os pais, os namorados, as crianças, os amigos. Imaginem se só houvesse mesmo um dia para que eles fossem o que são, somente um dia em meio aos 365 que o ano possui!

Por isso, não devemos esperar essas datas para dizer a quem nos é importante o papel que desempenham em nossas vidas. Comemoremos todos os dias, a todo o momento. Algumas vezes, infelizmente, não é possível esperar tais datas.

Mas, mesmo assim, não vou me furtar em colocar aqui o que digo em todas as oportunidades aos meus familiares e amigos: eu os amo!

Pai, mãe, irmãos, sobrinhas, cunhadas, amigos de verdade, eu os amo e quero sempre a felicidade de vocês, sem datas certas para que nos reconheçamos e agradeçamos. Feliz dia, todos os dias!

08 maio 2009

Maldita distância!

Essa maldita distância!
Que nos impede de abraçar quem a gente quer, que não nos permite olhar nos olhos de quem a gente gosta e dizer aquilo que a gente sente, que a gente deseja...

Essa maldita distância!
Que separa amigos, família, amores... que impossibilita tantas coisas de acontecerem...

Essa maldita distância!
Que nos deixa incapazes de fazer o que mais temos vontade...

Essa maldita distância!
Que nos faz sentir sozinhos por tantas vezes...

Essa maldita distância!
Que nenhuma canção conhecida consegue exprimir...

Essa maldita distância!
Que faz meu coração ficar pequeno e apertado dentro de peito...

Essa maldita distância!
Que me faz ter um nó na garganta...

Essa maldita distância!
Maldita distância!
Distância!
Maldita!
!

04 maio 2009

"I Know Where I've Been"

Músicas são coisas que conseguem tocar o fundo de nossa alma, de nossos sentimentos, por muitas vezes. E foi meio que por isso que coloquei esse espaço aqui ao lado, o “Música da vez!”. Sempre que postar algo aqui no blog, vou colocar uma música que case com o tema, ou que indique meu estado de ânimo ou algo do gênero. Mas pode acontecer o contrário também, a postagem ser em função da música. E é o que acontece agora.

Há algum tempo, assisti a um filme, um musical, chamado “Hairspray”. E uma música em particular chamou minha atenção, me tocou, e desde então eu a escuto, vez por outra. No contexto do filme, ela representa um momento de união, de reivindicação por parte dos negros de Baltimore, nos Estados Unidos, nos anos 60, numa sociedade notadamente segregada por conta do racismo e em mudança.

Em mim, a música incita a esperança, a certeza de que tudo vai dar certo no fim. E não por uma crença cega e irreal. O sucesso ao final da empreitada vai depender da força que se empreende, de quem está envolvido e em que grau, e mais: depende da compreensão de quais são os objetivos que devem ser alcançados e porque devem sê-los.

Ela me lembra também a possibilidade de conflitos, de dificuldades, de barreiras, de perdas. Mas que devem ser vistos como incentivos, como um motivo a mais para vencer. Pois, lá na frente, ao chegar ao final dessa ‘jornada’, tudo vai ter valido a pena e vai ser compensado com o sabor da vitória, do sucesso das ações, do objetivo conquistado.

Essa música e o que ela representa para mim tem sido, de certa forma, o meu lema nesses últimos dias, é a ‘vibração’ que meu espírito emana, por assim dizer. Mas cada um faz uma leitura diferente das coisas. Então, para mostrar um pouquinho mais de mim e para apresentar essa música a você que por aqui passou, resolvi compartilhar essa música.

Espero que gostem!
Ocorreu um erro neste gadget